GRASSA RANGEL

capa cd grassa.jpg
calendario.png

GRASSA RANGEL CANTA Salgueiro De Waldemar da Ressurreição A Djalma Sabiá

 

Esse projeto sonoro em ritmo e melodia de samba autêntico nasceu dos arquivos e memória viva de seu poeta e compositor Mestre Djalma Sabiá.

Aliás, sambas autênticos, só e exclusivamente, de compositores da ala de autores da Escola; E os que não são, oficialmente, que não escreviam pra famosa quadra, são Salgueirenses de coração. Esses, só fizeram parte do repertório do disco, com autorização expressa do Mestre Djalma.

Dos encontros e reuniões que tivemos Djalma, em tom de Mestre, foi falando, falando e no final de alguns papos, emergiu do fundo dessas conversas, límpida e claramente, uma espécie de resgate, um tipo de memória revivida dos grandes momentos que a Escola criou e consagrou, de Fernando Pamplona a Renato Lage, como responsáveis pela parte plástica visual da escola; Nos dizia Djalma, que alem dos sambas enredo clássicos, dos quais, ele mesmo é um dos autores de um “Chico Rei”, juntamente com Geraldo Babão, “Dona Beja Feiticeira de Araxá” e "Chica da Silva”, vieram os de quadra, sempre cantados pelo povo da Escola, até o amanhecer do dia, como “Água do Rio” e Vem chegando à madrugada” de Anescar e Zuzuca, respectivamente.

Depois, ou até antes, cronologicamente, lembrava Djalma; não se podia esquecer o samba de Geraldo Babão, que alem de apaziguar, uniu as três escolas que tinha no morro, que parecia não se entender nem com a intervenção de Deus.

O Samba, “união do salgueiro” alem desse efeito, deu praticamente o nome que a escola tem ate hoje, e que desde o início fez a agremiação ser respeitada como uma verdadeira academia, uma descobridora e consagradora de talentos.

Ainda dentro desse pensamento no Mestre Djalma, depois da união das forças e energias de samba do morro, já como Acadêmicos do Salgueiro, como sugere o samba de babão na sua frase final que diz: "Chegou, chegou à academia” o velho líder da comunidade, Antenor Calça Larga, foi buscar régua e compasso da Escola de Belas Artes, que chegou pelas mãos do professor Fernando Pamplona, para dentro do seu barracão. E de lá então, não só saíram belíssimos e consagrados carnavais, como também cabeças iluminadas, formadas e diplomadas pelas mãos do professor Pamplona, como Joãozinho Trinta, Maria Augusta e Arlindo Rodrigues, etc., que depois saíram por ai, combinando formas e cores com talento e bom gosto, encantando o público, empunhando as mais variadas bandeiras, emocionando e tirando lágrimas de todo o publico, das avenidas.

Duas outras surpreendentes revelações de Djalma foram das amizades que ele tinha com o grande Mestre Ziza, Zizinho, o maior ídolo do futebol brasileiro antes de Pelé, inclusive o ícone do nosso Rei do Futebol.  E Mestre Ziza para homenageá-lo, lhe dedicou um poema, “Sabiá do Salgueiro”, que Carlos Bobola botou música e tá ai no disco; segunda surpresa foi de sua ligação com um dos maiores compositores do passado e que era Salgueirense, Waldemar Ressurreição. De Waldemar, estão no repertório do disco quatro belíssimas obras, “A maior Maria” (grande sucessos dos anos sessenta), “Meu latim”, “Que rei sou eu” (dois sucessos de carnavais passados) e “Meu bairro canta”, um passeia lúdico pela Tijuca de anos atrás.

Em seguida vem “Moleque no Repique” (ou CPI do samba), de Olimpio e Marcílio, compositores que levaram a cantora para a Escola e, em seguida, “Muito obrigada”, de Cesar Veneno, compositor já muito consagrado no Salgueiro.

Só dois outros sambas, “Vai batalhar” de Oscarzinho e Zé Vicente, (o pai de Oscarzinho, como Djalma, também foi amigo de Waldemar Ressurreição), e foi ele quem ensinou a Grassa Rangel, letra e música dos sambas de Waldemar, e “Entre a pernada e a rasteira”, que fala num clima de samba exaltação que é a nossa raça brasileira, essa bela mistura de jacaré com cobra d’água que é nossa gente graças à Deus.

Finalmente, o partido, “Eu não namoro mulher feia”, de Fuzarca, versado com Jair. Fuzarca, além de partideiro, foi um dos maiores repenique da historia do Salgueiro e do nosso Carnaval.

 

Ass. Adelzon Alves

GRASSA RANGEL CANTA Salgueiro de Waldemar da Ressurreição A Djalma Sabiá

 

PRODUÇÃO DO CD: Adelzon Alves;

PRODUÇÃO MUSICAL: Paulão sete cordas/

CO-PRODUÇÃO DO CD: Djalma Sabiá;

CAPA: Renato Lage

 

PROPOSTA DE GRAVAÇÃO:

A idéia do Adelzon Alves foi gravar um CD, tendo como base os Compositores do Salgueiro, onde serão gravados sambas de quadra, antigos consagrados e gravar sambas inéditos da nova geração de Compositores do Salgueiro

                                                                         TEXTO ESCRITO POR HAROLDO COSTA

 

Se por acaso alguém tinha alguma dúvida, está aqui a grande oportunidade para esclarecer de vez: o Salgueiro é a academia do samba. Nesta incrível seleção de compositores que Adelzon Alves reuniu com a benção de Djalma Sabiá, a memória viva da vermelho e branco da Tijuca, estão presentes grandes poeta e melodistas que enriqueceram o samba carioca.

              Grassa Rangel, emoldurada pelos arranjos do sempre competente Paulão Sete Cordas, se integra ao mundo salgueirense e revive sambas definitivos que só estavam na memória da velha guarda e na lembrança esparsa de um ou outro salgueirense “da antiga”.  É um bálsamo para os ouvidos e afago no coração ouvir o samba União do Salgueiro, que o incrível Geraldo Babão escreveu para selar a união das três escolas do morro (Azul e Branco, Depois eu Digo e Unidos do Salgueiro), Como sugere o samba na sua frase final “chegou, chegou a Academia”.

             Momento de ternura é ouvir o samba Sabiá do Salgueiro, poema que mestre Zizinho, um dos maiores craques do futebol brasileiro de todos os tempos, dedicou ao querido Djalma Sabiá e que foi musicado com todo carinho por Carlos Bobola.

            E que dizer da coleção de sambas-enredo que estão na boca e na lembrança de todos, salgueirenses ou não: Chico Rei (Djalma Sabiá, Geraldo Babão e Binha), Chica da Silva (Noel Rosa de Oliveira e Anescarzinho), Dona Beja, A Feiticeira de Araxá (Aurinho da Ilha). É uma demonstração indiscutível do tamanho e da importância dos seus autores, que contribuíram para que este gênero se firmasse como uma alavanca para o conhecimento de fatos e personagens marginalizados da nossa História.

           Para alem da beleza da voz de Grassa Rangel e os cuidados do Adelzon e Paulão, vai a exposição destes sambas imortais.

 

                                                             Haroldo Costa            

 

 

capa cd grassa.jpg

1    (pout Pourri) - Chico Rei - Autores: Geraldo Babão, Djalma Sabiá (Djalma de Oliveira Costa) E Binha / Dona beja a Feiticeira de Araxá - Autor:  Aurinho da Ilha / Chica da Silva - Autores: Noel Rosa de Oliveira e Anescarzinho - 8:23

2    (Pout Pourri) Peguei um Ita no Norte - Autores: Demá Chagas, Arizão, Celso Trindade, Bala, Guaracy  e Quinho / O meu bairro canta - Autor: Waldemar da Ressurreição - 3:51

3    União do Salgueiro - Autor: Geraldo Babão - 3:26

4    Entre a pernada e a rasteira - Autores: Luiz Guima e Claudio Freire - 4:51

5    A maior maria - Autores: João de Deus (Waldemar da Ressurreição) e Gerôncio Cardoso - 3:08

6    Tem Samba no Terreiro - Autores: Djalma Sabiá e Valdir Careca - 2:31

7    O moleque do repique - Autores: Olímpio e Marcílio do Salgueiro - 3:26

8     Sabiá do Salgueiro (Sabiáuna) - Autores: Carlos Bobola e Mestre Ziza (Zizinho) - 3:49

9    (Pout Pourri) Meu latim, Autor: Valdemar da Ressurreição / Que Rei sou Eu - Autores: João de Deus (Valdemar da Ressurreição) e Herivelto Martins - 3:57

10   Deus existe - Autores: Tiãozinho do Salgueiro e – (D. R.) - 4:33

11   Muito obrigado - Autor: Cesar veneno - 3:47

12   Vai batalhar - Autores: Oscarzinho DO Violão e José Vicente - 2:34

13  Não namoro mulher feia - Autor: Fuzarca - 6:09

14  (Pout Pourri) Eu vou me ausentar do Samba - Autor: Fuzarca / Água do rio (só resta saudade) - Autores: Noel Rosa de Oliveira e Anescarzinho / Vem chegando a madrugada - Autor: Zuzuca - 5:33

 

FOTOGRAFIAS DO MOMENTO DA GRAVAÇÃO DO CD GRASSA RANGEL CANTA SALGUEIRO DE WALDEMAR DA RESSURREIÇÃO À DJALMA SABIÁ

DJALMA.jpg
P4180049.JPG
P4180050.JPG
AZUL.jpg
P5240061.JPG
P4270006.JPG
P8170040.JPG
ADELZON.jpg
CORO VOCAL.jpg
DSCF0389.JPG
DSCF0374.JPG
GRASS.jpg
P8170046.JPG
CESAR VENENO.jpg
DSCF0371.JPG
DSCF0370.JPG
DSCF0389.JPG
DSCF0367.JPG
DSCF0367.JPG

ÁLBUM

CD - ADELZON ALVES MPB DE RAIZ

capa.jpg

FICHA TÉCNICA 


        

Adelzon Alves MPB de Raiz

 

Ano - 2006

Uma produção SELO RÁDIO MEC

 

SELO RÁDIO MEC

 

Gerência Executiva: Chico Teixeira

Coordenação de Produção: Solange Boeke

Produção Executiva: Ana Lúcia Rodriguez e Brian Higgin

Ass. de Planejamento e Projetos Especiais: Sebastião Figueira

Coordenação Técnica: Roberto Monteiro (Betinho)

Núcleo Rádio MEC: Amaury Santos (AM) e Marcelo Brissac (FM)

Núcleo Rádio MEC: Amaury Santos (AM) e Marcelo Brissac (FM)

Estagiário: Pedro Colin

 

Projeto Gráfico

 

GerênciadeCriação e Produção de Arte: José Ricardo T. marinho

Núcleo de Videografismo e Prod. Gráfica: Ana Regina Abranches

Criação: Carol Borges

Gerência de Comunicação: Paulo S. Carneiro

Ilustração: Adilson Silva

 

CD

 

Direção Musical e Arranjos: Paulão Sete Cordas

Produção: Adelzon Alves

Gravação, Mixagem e Edição Marcelo Hoffer

Gravado no Estúdio Sinfônico Maestro Alceo Bocchino da Rádio MEC, Rio de janeiro, em julho e agosto de 2006.

 

Músicos Participantes

 

Base:

 

Arranjo e Violão denylon:Paulão7Cordas*

Violão 7 cordas de aço: Rogério Caetano *

Violão Tenor: Marcílio Lopes (música 4)

Cavaquinho: Paulinho Galeto *

Cavaquinho solo: Henrique Cazes (músicas 8 e 10)

Baixo: Louchard *

Bateria: Jorge Gomes (música 1,2,3,4,5,6,9,10,11,12,13,15)

Bandolim: Marcílio Lopes (músicas 6,9 e 12)

Flauta:Eduardo Neves (música 6 e 12)

Sax soprano: Eduardo Neves (música 3)

Surdo: Birinha *

Tantan: Rogerinho (músicas 1 à 9)

Congas: Felipe D' Angola (músicas 7 e 14)

Pandeiro: Felipe D' Angola (música 1)   e   Adriano: músicas (2 à 15)

Tamborins: Birinha (músicas 1,2,3,4,5,6,7,9,11,12,15)  e Felipe D' Angola (músicas 1,2,3,5,6,7,11,12,15) e Neném (músicas 1,2,3,5,6,7,9,11,12,15)

Trombone: Roberto Marques (músicas 2,5 e 13)

Reco-Reco: Rogerinho: (música 10)

Agogô: Felipe D' Angola (música 4 e 14)

Caxixis: Trambique (música 4) e Felipe D' Angola (música 14)

Repique de Anel: Trambique (música 4)

Acordeon: Chico Chagas (música 4)

Coro: Clarisse Grova, Mariana Bernardes, Moyseis Marques, Rhichahs,

Paulão (músicas 2,3,5,6,7,8,9,10,11,12,14,15)

 

* Toca em todas as músicas

 

Participação Especial:

 

Beth Carvalho: Faixa 02 Conto de um poeta e Zeca Pagodinho: Faixa 08 Veneno lascado

 

Agradecimentos:

 

À Rádio MEC, a Petrobrás e a Adelzon Alves pela oportunidade de gravar o meu primeiro disco, e a ajuda inestimável de Luiz Cláudio Rocha e a Newley Assessoria Patrimonial e Eventos Ltda.

Esta faixa 9  é dedicada à Luiz Rangel  e meus filhos.

01 . 03:44  - Bola Sete
02 . 04:03 -  Conto de um poeta
03 . 04:04  - Cantar é preciso
04 . 03:04  - Falando do jacarezinho
05 . 02:57  - Dandara
06 . 05:16  - A rainha do samba
07 . 03:42  -  Clementina de Jesus
08 . 02:47  -  Veneno lascado

09 . 02:49  -  Tudo pelo amor
10 . 03:25  -  Sempre com você
11 . 03:27  -  Samba mulato
12 . 03:11  -  Meu tabuleiro
13 . 03:30  -  Estória da lapa
14 . 04:27  -  Precursor da paz
15 . 05:34  -  Alô Isabel